PERFIL DO MISSIONÁRIO EVANGÉLICO…

Referindo-se aos missionários evangélicos em África, o livro “Protestantismo em África”, editado em Lisboa, no ano de 1960, pela Junta de Investigações do Ultramar, transcreve a seguinte afirmação de A. da Silva Rego: “O protestantismo em África, ganhou há muito, foros de consideração e de estima. Os seus missionários sacrificaram-se pelo bem-estar das populações, fundando instituições de assistência notáveis a todos os títulos”.

 

Eu próprio, nasci em Lourenço Marques (atual Maputo) – Moçambique, em um hospital de missão presbiteriana, conhecida por “Missão Suíça” em 1934. Embora estivessem na capital de Moçambique, os meus pais tiveram mais confiança nesse hospital do que nos hospitais do Estado. 

 

Nessa época e nesse contexto cultural, a palavra missão tinha uma semântica um pouco diferente da dos nossos dias.  

 

Quando eu era criança, se me falassem em missão, imaginava uma escola, um hospital, e uma igreja, bem no interior de África. 

 

Missão em África, era não só centro religioso, mas também de cultura, de civilização e de bem estar.  

 

O africano simples e analfabeto do interior de África, tudo esperava do missionário: Ele era o dirigente religioso, mas também o professor, o médico, o “banqueiro” a quem pedia para guardar as suas economias, (por ser o homem de maior confiança), e o conselheiro para todos os seus problemas. Lembro-me de falar com missionários que se queixavam dizendo não era essa a sua função, mas não podiam desiludir os africanos e tinham de, dentro do possível, respeitar a sua cultura e a realidade do ambiente em que se encontravam. 

 

De uma maneira geral, as antigas organizações missionárias sabiam escolher e preparar bem os seus missionários. Refiro-me ao caso de Moçambique, que conheci melhor, mas julgo que o mesmo se poderia dizer de toda a África. Posso citar, referindo-me a Moçambique, não só o caso da Missão Suíça (presbiteriana), fundada desde 1887, como o caso Missão Metodista Episcopal, trabalho das igrejas americanas, estabelecidas em meados de 1883, a Missão do Nazareno (1930), Missão Batista da Escandinávia desde 1937 entre muitas outras. 

 

Se por um lado, o missionário evangélico dessa época tinha a sua liberdade limitada pelos mais diversos motivos, devido à falta de liberdade de religião e pela ação perniciosa das “autoridades religiosas da Igreja Católica” junto das autoridades portuguesas, por outro lado, todos sabiam que o missionário era geralmente não só um teólogo, mas também dum valioso profissional, geralmente médico, enfermeiro, engenheiro agrónomo etc. Lembro-me dum idoso missionário, Pastor Rey, (Engenheiro Agrónomo), que me recebeu em sua casa na Missão de Cambine, que conseguiu seleccionar um tipo de milho de rápido crescimento, próprio para a zona climática em que se encontrava. Infelizmente lembro-me também de ver pelo espelho do meu carro, sempre o mesmo jipe a seguir-me o que culminou com um interrogatório pelas autoridades portuguesas sobre o que tinha ido fazer numa missão protestante. 

 

Nesses tempos o missionário evangélico em África, por um lado era mal recebido devido ao fanatismo das autoridades católicas da época, mas por outro lado, era desejado por ser elemento muito valioso para o desenvolvimento dos povos.  

 

E nos nossos dias? 

 

Infelizmente, penso que esse perfil do missionário evangélico, em muitos casos se tem deteriorado. 

 

O número de missionários aumentou, mas a sua preparação já não é a mesma. Não só a preparação teológica dos missionários já não tem o mesmo nível, como a preparação secular que antigamente se exigia a nível superior, em profissões que fossem úteis para os países a que se destinavam. Atualmente, em alguns casos, essa preparação secular é praticamente nula. 

 

Admiramos a dedicação e coragem de missionário brasileiro ou português que vá por exemplo para África, mas se for isoladamente, sem o apoio de outros que já estão no campo, e sem um período de adaptação, para aprender as línguas africanas, embora esteja em África, só poderá ficar nas cidades e contactar, não o verdadeiro povo africano do interior que tencionava evangelizar, mas somente o povo das cidades que domine bem a língua portuguesa. Até tenho conhecimento de jovens portugueses e brasileiros que para irem como missionários para África, até para a África de língua portuguesa, vão primeiro para Inglaterra para aperfeiçoar o seu inglês!!! E os casos de “missionários” em Portugal que se dedicam ao ensino da língua inglesa? 

 

É caso para perguntar: Afinal, são missionários de quê? Ao serviço de quem?  

 

Estarão ao serviço do Evangelho ou, mesmo inconscientemente, ao serviço dum neocolonialismo britânico ou americano?  

 

Muitos dos jovens países africanos têm nos últimos anos encerrado as suas portas aos missionários evangélicos duma maneira geral.  

 

Certamente que se trata de um fato lamentável, mas antes de os criticarmos, é necessário ouvir as suas razões para tal atitude. Pois poderemos ouvir argumentos como este: “O nosso país é tão pobre, e tão baixo o nosso nível de vida!! E que ganhamos com a entrada destes missionários? Não têm nenhuma profissão que nos possa ser útil, e quando entram no nosso país, vão pregar sobre o dízimo e só se sentem realizados quando conseguirem viver das contribuições do nosso povo. Assim, se estamos mal, pior vamos ficar!!!”

 

Até a própria Índia, país conhecido pela sua tolerância milenar para com todas as religiões, fechou as portas aos missionários evangélicos, embora os crentes indianos gozem da liberdade que lhes é conferida pelas leis do país.  

 

Penso que há que repensar a preparação do missionário evangélico. Há que tentar a difícil tarefa de recuperar o prestígio dos antigos missionários, que a tanto custo dignificaram o Evangelho conseguindo até o elogio de países tão católicos e tão hostis ao Evangelho como era o Portugal antes do 25 de Abril de 1974.  

 

Mesmo países africanos, hostis ao evangelho, com as suas portas encerradas para o missionário que se limite a ter uma formação em teologia, têm as portas abertas para todo o profissional de especialidades que tenham interesse para o seu desenvolvimento 

 

Será que isto é ideia nova?!! Talvez não. Examinando o livro da Actos dos Apóstolos, verificamos com admiração que o Apóstolo Paulo, profissional de tendas que trabalhava para se manter , conseguiria ser bem recebido onde muitos dos missionários dos nossos dias não conseguem entrar. A Bíblia tem sempre a solução.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: